Páginas

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Lições numa manhã de sexta-feira






São José dos Campos, 06 de maio de 2011

Oh, Grace! Nem sempre o que achamos que é luz é tão brilhante quanto devia ser. Achamos que é o Sol iluminando a noite, mas não passa de uma estrela passageira.
Mas talvez você já devesse saber disso. Porque eu, aos meus míseros 17 anos já sei. O mundo é um lugar maravilhosamente terrível e muitas vezes a morte não é o castigo mais apropriado. Porém disso você já sabe, não é? E deve saber também que a vida nos castiga por atos não praticados por nós, e embora não percebamos, com o tempo o castigo se torna um aprendizado importantíssimo para o que iremos viver logo em seguida.
Entretanto, a revolta que sentimos não pode ser responsabilizada por nossas ações, até porque às vezes cometemos erros em meio ao desespero que mais tarde nos arrependeremos de tê-los cometido.
Mas a questão não é essa. Porque estou escrevendo-lhe para demonstrar que nós não somos os únicos que erramos. Mas talvez sejamos poucos os que sentem arrependimentos. É preciso, portanto, aprender a identificar uma mentira e pensar seriamente como agir após a descoberta de quem é o traidor.
É preciso aprender que somos todos iguais apesar das diferenças. Somos iguais em nossa arrogância, em nossa ignorância.
Somos iguais em nossos preconceitos e conceitos mal feitos e é exatamente isso o que nos cega para a realidade da alma e consciência de cada individuo. Porque nós podemos errar e esconder quem realmente somos, mas as pessoas que são nossas amigas, próximas e as que amamos e que desejamos que nos ame não podem cometer o engano de pensar que iremos perdoá-las se esconderem um único fio de cabelo da cor falsa, muito menos os verdadeiros ideais.
Não perdoaremos as pessoas que se aproximam apenas para se inspirarem e se moldarem a partir do nosso próprio molde. Cada um é cada um, apesar de todas as iniqüidades humanas que todos cometemos e estamos sujeitos (porque todas essas iniqüidades são iguais, os motivos são os mesmos, mas a mente é levada ao ato por caminhos diferentes).
E é apenas isso que você vai conseguir aprender comigo. E é realmente uma pena, porque nada mede o que eu aprendi com você. Foi você quem me mostrou de maneira tão incômoda que é preciso de muito mais que coragem pra viver a vida que nos foi dada. E não é preciso de mais nada além de gentileza para sermos enganados e tristemente molestados pela sociedade em que propositalmente nos inserimos e involuntariamente aprendemos a amar.

Adeus, Grace.

Fique bem


Da garota que acredita que o mundo é feito de muitas coisas mais do que as que enxergamos.





Escrito pensando no filme Dogville

Nenhum comentário:

Postar um comentário